Pesquisa enriquecedora, posicionamento e reflexões dos alunos a respeito das temáticas abordadas. Essa foi a postura dos adolescentes do 9º ano da Escola João Paulo I,  que  chamou atenção de quem teve a oportunidade de assistir, nos últimos dias 26 e 27 de outubro, ao III ENSAIO CIENTÍFICO.

No trabalho, norteado a partir de uma problemática levantada pelas equipes, os alunos trouxeram um ensaio discursivo, e mostraram o posicionamento do grupo, além de reflexões a respeito do ponto sob consideração. Os grupos “ensaiaram” um discurso de manifestação sobre um ponto de vista – relacionada à cidade de Feira de Santana – a partir de pesquisas, questionamentos, críticas, experimentações e ponderações sobre os temas propostos.

“Vi alunos extremamente preparados, trazendo um posicionamento nítido, se apresentando de modo formal, muito à frente de outros da mesma faixa etária. Parabéns à escola pelo incentivo à pesquisa, pelo resultado final deste trabalho”, pontuou a Engenheira de Alimentos, Layne Oliveira Guerra, uma das convidadas para compor a banca de jurados do Ensaio. Temas como Higienização e Desperdícios em Feiras Livres foram observados por Layne. “Tivemos aqui alunos muito seguros e visivelmente preparados para os temas que discutiram. A pesquisa de campo trouxe uma realidade que eles conseguiram transparecer para nós que assistimos. Estão mesmo de parabéns”, concluiu.

Para o cineasta, e também membro da banca de jurados, Ícaro de Oliveira, o trabalho não apenas formou alunos, mas cidadãos. “Esses meninos não estão saindo daqui com um trabalho escrito num papel, ou com um conhecimento apresentado para uma banca. Estão saindo daqui com conhecimento para a vida. Parabenizo a eles, aos professores e à escola pelo excelente trabalho”, opinou o cineasta.

O aluno Gabriel Barros, que, junto com sua equipe, falou sobre “Mobilidade e carência de acessibilidade nos últimos cinco anos”, reiterou a fala do cineasta. “Nosso agradecimento especial à escola porque nos permitiu vivenciar uma outra realidade, através de uma sensibilidade que só nos foi apresentada graças a esse trabalho. Todos nós pudemos pensar ‘fora do nosso quadrado’”, disse o aluno.

Durante as apresentações, pode-se notar que as reflexões foram feitas com racionalidade e seriedade, a partir da capacidade dos alunos de articular conhecimentos e posicionamentos e proceder interpretações e avaliações sobre a área que refletiam.

O rigor e a organização, além das argumentações, foram pontos bastante elogiados pela Pedagoga, Assistente Social, e Professora Universitária, Paula Brito. “Esses meninos trouxeram uma maturidade intelectual e uma criticidade para além de seu tempo. Desempenharam um trabalho de excelência que contribui muito para Feira de Santana”, explica Paula. Para ela, é muito importante despertar o aluno para um olhar investigador, já que “todas as áreas de atuação necessitam de pesquisa”. “O meu desejo é que a João Paulo nunca perca fôlego. Que continue estimulando os alunos a terem essa formação humana tão potencializada”, concluiu a Pedagoga.

Segundo a Diretora Cassia Braz, a escola vem cumprindo o seu papel, de formar para além da sala de aula. “Nossa intenção é oportunizar mesmo um outro olhar sobre a realidade em que vivem. É fazer com que nossos alunos aprendam também fora das salas de aula. E, através desse Ensaio Científico, podemos perceber quão significativo foi esse trabalho na vida de cada um deles. Estamos falando de alunos do 9º ano apresentando um Ensaio Científico. E estamos falando de alunos que se dedicam e trazem para nós pesquisas e reflexões feito ‘gente grande’. Estamos orgulhosos, enquanto escola, de tudo que vivenciamos nesses dois dias”, conclui Cassia.