Era uma Vez…

Um homem alto, de voz rouca, serralheiro, trabalhador valente, cidadão da cidade de Baixa Grande-Ba, casado, pai de dois filhos. Com nome de João Braz de Oliveira, este senhor, um dia, deixou sua cidade natal, trabalho, amigos e familiares para, junto com sua esposa, acompanhar sua filha e ajudá-la a realizar o seu grande sonho: ser professora. Filha muito amada, estudante empenhada e uma pessoa boa de conviver. À este sonho e à esta filha, qualquer sacrifício valeria fazer. Bastou a menina falar: “Um dia eu vou ser professora”. Pronto! Malas arrumadas, destino: Feira de Santana.

Das escolas de Santo Anápolis ao Instituto de Educação Gastão Guimarães, em Feira de Santana, a sua filha estudou, era uma aluna aplicada, conhecida em nossa cidade como uma excelente pró de banca, e de professora “que dava jeito em criança danada”. Era assim, que antigamente, as pessoas se referiam às crianças de comportamento inadequado ou de difícil convivência. A menina- que não era mais tão pequena- formou-se. Anel de pedra vermelha no dedo. Sonho realizado: Enedite Braz da Silva, professora de Magistério.

Matemática, Português, leitura de cordel, pular corda e cruzadinha, já faziam parte do dia a dia dessa educadora. A abordagem sócio-interacionista já fazia parte do seu jeito de ser. E, como um gigante, o seu nome foi crescendo até que os próprios pais dos seus alunos de banca lhe sugeriram a abertura de uma escola.

Pra quem veio de outra cidade, encarou o exame de admissão, realizou o sonho… Abrir uma escola seria a coroação de tantas conquistas. Apoiada por seus pais e seu esposo (nosso saudoso pai), que emprestou a casa construída recentemente à Pró Enedite, para fazer dessa morada uma escola. E foi ali que nasceu a Escola Meu Doce Lar. Não podemos esquecer que nos primeiros anos ocupávamosnos o próprio interior da casa. A Escola Meu Doce Lar iniciou com 60 alunos e com um pequeno grupo de professores. Dentre eles, a nossa querida Pró Nozinha, Pró Neusa, pró Norma e tantas outras pérolas.



Escola pequenina,
“mas amor não faltava lá…”
Tudo parecia não ter nada,
devido à simplicidade daquele lugar.
E, “muito, muito tempo se passou
O Meu Doce Lar adormeceu,
E para acordar mais bela ainda,
Um novo nome recebeu:
Escola João Paulo I
Que Deus do Céu abençoou!”







A Escola João Paulo I, foi fundada no dia cinco de março de mil novecentos e setenta e dois. Data de aniversário do pai de Pró Enedite, o Sr. João Braz de Oliveira.

Comemorar mais de 40 anos de existência é ter oportunidade de dedicar toda uma vida aos colaboradores mais fiéis que essa escola já teve: João Braz de Oliveira (pai de pró Enedite) e Sr. Antonio Ferreira (esposo). Hoje não os temos mais em nossa companhia, mas, com certeza, em cada geração que passar por aqui estará presente uma semente.

E por falar nisso, ficamos a imaginar as gerações de estudantes que hoje se fazem presentes na sociedade e que são frutos do nosso trabalho. Quantos pais de família, professores, secretários, advogados, políticos, donas de casa e tantas outras ocupações, frutos de suas bases familiares, educacionais e cristãs. Para nós, que fazemos parte da continuidade dos pilares que sustentam a Escola João Paulo I, o compromisso tornou-se um desafio. Talvez, um dos mais belos desafios das nossas vidas.

O encontro diário de nós, filhas, com a nossa mãe, nos garantiu um legado, que queremos que seja para sempre. Foi e é justamente esse legado, que consolida a sociedade comercial que, legalmente, existe entre a gente. Cada uma com a sua função: Pró Judi (Diretora Pedagógica do Curso da Educação Infantil e responsável pelo setor administrativo) Pró Cássia (Diretora Pedagógica do Ensino Fundamental I e II e responsável pelo setor administrativo da Escola). Cada uma com seu jeito e habilidades. Porém todas: Judinara, Cássia e Enedite são sócias, agem como sócias, brigam e fazem as pazes como sócias. Uma experiência fantástica! O nosso legado hoje é o de permanecer unidas, com a Escola João Paulo I comprometida com a realidade educacional que o século XXI nos impõe.




Em uma escola de 4.800 metros, uma empresa de 120 funcionários, a nossa missão se renova diariamente a fim de nos fazer lembrar que, apesar da grandeza do espaço, o mais importante é a imensidão da metodologia pedagógica, a riqueza da “reengenharia” humana, a coragem de viver a nossa fé e, acima de tudo, a disposição de assumir que os nossos alunos, crianças e adolescentes, são bem vindos por termos muito a oferecer-lhes.

Vislumbrar a Universidade e uma vida feliz para os nossos alunos é a tradução desse legado. Hoje, contamos com 21 turmas do curso da Educação Infantil, 22 turmas do Ensino Fundamental I, e o nosso fruto mais recente, 9 turmas do Ensino Fundamental II. Trabalhamos rumo a um futuro que passará sempre por aqui.

Queremos mais 40 anos?

Queremos mais 100 anos. Queremos que esse legado se estenda até os nossos filhos, que os valores que acreditamos permaneçam; que os nossos professores continuem capazes de ensinar e aprender; que eles continuem desejando ampliar suas especializações.

Queremos que o nosso setor administrativo continue de excelência, queremos que os alunos com necessidades educacionais especiais sintam-se acolhidos – não porque existe uma lei para eles estarem aqui – mas porque aqui é o lugar para todos eles. Assim como queremos continuar enxergando os nossos limites e ampliando a nossa capacidade de lidar com as necessidades apresentadas por eles, respeitando-os tanto quanto respeitamos e estamos atentos à outros alunos que também são especiais para nós. A nossa responsabilidade é a de cuidar de todos que nos alcançam. Por tantos sonhos a realizar, gostaríamos que você, que está lendo este texto, continue nos ensinando a fazer a Escola João Paulo I, porque “Aqui todo mundo aprende”.

Judinara Braz da Silva Mota de Carvalho

Diretora Pedagógica da Educação Infantil

Psicóloga CR 03-IP 8102